Review: Hostel Che Lagarto Montevidéu, Uruguai

che lagarto
Eu já falei sobre a rede Che Lagarto em outro post. Pela minha boa experiência no Rio de Janeiro, decidi ir no certo, em vez de optar pelo desconhecido, e fiz reserva no Che Lagarto em Montevidéu quando fui no início de agosto.

Localização

Nós sempre enfatizamos por aqui o quão importante é esse fatos para nós. Gaste um pouco mais e fique bem localizado ou prefira uma acomodação um pouco inferior, mas fique bem localizado. O Che Lagarto de Montevidéu fica a uma quadra da 18 de Julio, porém muito distante do ‘centrão’ mesmo e da Ciudad Vieja. Quando eu reservei, eu pesei muito isso. Mas tinha a vantagem de ser perto do Terminal Tres Cruces e como eu o utilizaria muito —cheguei na cidade via terminal, fiz bate-e-volta a Colônia e sai da cidade também de ônibus — me pareceu uma escolha sensata: mais fácil de carregar as malas e economizar no táxi.

Só que não era tão perto assim do Tres Cruces, uma boas cinco quadras. A distância real era perto de 1 km. Mas na chegada, puxando mala rua acima, parecia 5 km e à noite, com as ruas desertas, pareciam 10 km.

Tem parada de ônibus na frente e além da 18 de Julio ser pertinho, fica perto da Tristàn Narvaja, mas para quem está sozinha e quer curtir um pouco mais à noite, dar uma caminhada em volta do hostel, ir em um restaurante perto e essas coisas, o Che Lagarto não é a melhor opção.

Acomodação

DSCF8155_viajadas

Nesse ponto ele é bem parecido com a filial do Rio. O quarto era bem amplo e as camas confortáveis. Mesmo sendo um quarto de frente, não era barulhento. Bom, não dos barulhos externos. A porta do meu quarto era absurdamente barulhenta. Para fechar, tinha que bater. A mesma coisa com a porta do banheiro, que rangia horrores. O isolamento interno também não era muito bom. Dava para ouvir cada abrida de porta e descer de escadas no corredor.

Um ponto muito negativo: poucas tomadas. Um plug para quatro pessoas nessas épocas de smartphone é bem complicado.

O banheiro era bem grande, com ganchos para pendurar as roupas. Tinha um problema de vazamento. A água da pia corria para o chão e no box a água sempre ficava empoçada, mas tinha um rodo para dar um jeito na situação 🙂

DSCF8160_viajadas

Em geral, o quarto era bem confortável. O piso era de laminado, o que em terras frias é bem bom. Tinha calefação, o que deixava a temperatura do quarto sempre bem agradável, mesmo fazendo 2ºC na rua. O locker embaixo da cama é excelente também: um baita gavetão que cabe uma mala grande tranquilamente.

DSCF8157_viajadas

Limpeza

Nesse ponto deixou um pouco a desejar. O quarto era sempre bem limpinho, com lixo recolhido e tal. O banheiro nos primeiros dias foram limpos umas duas vezes, depois parecia que só recolhiam o lixo na segunda vez, pois o cheiro de xixi era bem ruim. Mas com bastante gente num quarto é até compreensível.

Agora a cozinha. A cozinha era nojenta. Cada pessoa depois do café da manhã tinha que recolher suas coisas e lavá-las. Mas era melhor não secar. O pano de prato deles era umas 10 x mais sujo que o pano de chão aqui de casa.

Café da manhã, staff e demais aspectos

O café da manhã era bem bom. Tinha café, chá, pão e uns bolos bem saborosos que eram assados ali mesmo no hostel, então de manhã sempre tinha aquele cheirinho gostoso. Ainda tinha suco artificial, manteiga, doce de leite (né?) e geleia.

Eu uso hostel mesmo só para tomar banho e dormir, então não desfrutei da área de convivência e o staff me pareceu bem humorado e solicito. A única coisa que precisei, além de fazer o check in, foi pedir para trocar minha cama. Fiquei na parte de cima de um beliche e para mim não rola. Era mais fácil eu derrubar a cama do que conseguir subir 😛

O prédio tem elevador, eles oferecem passeios e aluguel de bicicletas e do lado tem uma confeitaria com cada doce divino (visualmente, pelo menos).

No geral, não é um local bom. O preço é honestíssimo e a cama boa. Eu só não ficaria novamente lá pela questão da localização. Escolheria algo  mais próximo de onde que fiquei na primeira vez, lá na Plaza Cagancha, na Avenida 18 de Julio ou então em Pocitos.

 

One thought on “Review: Hostel Che Lagarto Montevidéu, Uruguai

  1. Bom dia,
    Estou me programando para ficar 30dias ou mais em Montevideo e pretendo usar transporte público para me locomover na cidade , minha primeira opção de hospedagem era o Cheiro Lagarto exatamente pela proximidade com a estação Três Cruces ,mas após ler avaliação neste post fiquei na dúvida é gostaria de saber se você conheceu o Tibet hostel que fica em Pocitos e se o indica?
    Agradeço imensamente se puder me retornar .
    Att,
    Ivone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *