Review: Hostel Che Lagarto em Ipanema, Rio de Janeiro

che lagarto em ipanema
Já havia estado no Rio duas vezes antes de, no ano passado, ir para a Cidade Maravilhosa com a minha mãe. Os dois primeiros hostéis que fiquei são ambos recomendáveis. Porém, além de eu querer experimentar um local diferente, achava que não fariam o estilo “mãe”. Depois de ler algumas avaliações tanto no Hostelworld quanto no TripAdvisor e pesar o valor da hospedagem e a localização, acabei optando pelo Che Lagarto em Ipanema.

O Che Lagarto é uma rede de hostéis franqueada com origem em Buenos Aires, na Argentina. Além da unidade em que nos hospedamos, existem mais três no Rio, em Copacabana, e em mais 14 destinos no Brasil. E na América Latina a rede de hostéis está presente logicamente na Argentina, mas também no Uruguai, no Chile e no Peru.

Localização
che lagarto em ipanema
Vista da janela do prédio anexo

A chave de tudo para mim é a localização. E nisso o Che Lagarto de Ipanema é 10. Localizado na Rua Paul Redfern, 48, fica a apenas uma quadra da Praia, no Posto 10. Apesar estar oficialmente em Ipanema, para chegar ao Leblon é só caminhar uma quadra. Está a uma quadra de distância também uma parada de ônibus com linhas para os principais pontos turísticos da cidade e a Rua Visconde do Pirajá, repleta de lojas e restaurantes.

Para quem vai para o Rio pela primeira vez, eu recomendaria se hospedar em Copacabana ( a Gisele deu uma boa dica), por ser um bairro mais movimentado e ficar mais próximo dos principais pontos turístico. Ficar em Ipanema e no Leblon é muito mais tranquilo, mas o tempo dentro do ônibus para turistar acaba aumentando. Mas, se sua estada for mais para aproveitar a praia, dar aquela descansada e curtir toda essa lógica mais sossegada carioca, o local é perfeito.

Estrutura
che lagarto em ipanema
Café da manhã é servido nessa bancada. Ao lado, fica a recepção

O prédio principal, onde fica a recepção, tem cozinha disponível para hóspedes, elevador, banheiro comunitário, sala com computadores e ambiente de convivência, onde é oferecido o café da manhã. Que por sinal é muito bom. Foi o primeiro hostel que fiquei com um café da manhã tão completinho. Além do café/achocolatado e pão, tinha cereais, frutas, bolos, sucos e iogurtes.

Do outro lado da rua fica o prédio anexo, onde ficamos hospedadas. Lá são três andares só de quartos. Lado muito ruim: sem elevador. Pode ser fala de gordinha sedentária, mas chegar cansada de tanto passear e enfrentar três andares de degraus mais altos que o comum era uma tortura diária.

O site diz que tem wi-fi grátis, mas confesso para vocês que não lembro de ter conseguido conectar. Acabei usando a minha 3G, que funcionou muito melhor por lá do que funciona aqui no Sul.

Quarto
che lagarto em ipanema
Segundo quarto

Ficamos seis noites no hostel. E se fosse com base no primeiro dia eu não recomendaria o local. O nosso quarto, no primeiro andar do anexo era na verdade um corredor. Um quarto comprido e apertado com seis camas beliche. Fomos alocadas na cama da porta, bem em frente ao banheiro. O quarto além de apertado era abafado (e com nove meninos de não mais de 20 anos no mesmo quarto, estava bem fedido também) e o ar-condicionado estava desligado. Fui na recepção pedir o controle do ar. O ar foi ligado. O controle tem que ser devolvido. Minha mãe dormiu em cima e teve uma noite de cão. O ar ia direto nela e ela congelou. Fui novamente na recepção pedir o controle para desligar o ar. Aí foi aquele calor  e abafamento pelo resto da noite.

Na manhã seguinte, pedimos para trocar de quarto. O que foi feito sem problema nenhum. Fomos realocadas para o quarto 303, no terceiro andar. O martírio das escadas começou, mas o quarto era nota 10. Bem arrejado e luminoso, até os demais hospédes eram limpinhos, educados e silenciosos. As camas beliches são de ferro e tem dois lockers na parte de baixo. O que é excelente, pois cabia a mala (e a minha era grande) e ainda sobrava espaço para fazer uma baguncinha. Cada uma das camas tinha a sua própria tomada – o que é o céu hoje em dia.

Todos os quartos têm banheiro, que são bons também. Tivemos um problema um dia, quando o chuveiro queimou. Já era noite e não tinha como ser consertado na hora. Acabamos tomando banho no prédio principal, no chuveiro coletivo, sem problemas. No outro dia, já havia sido consertado.

Limpeza

Taí uma coisa que gostei muito no Che Lagarto. A limpeza. O quarto e o banheiro eram limpos duas vezes por dia, no meio da manhã e por volta das 19h. Procurávamos sempre tomar banho depois dessa limpeza da noite. O ambiente comum também pareceu bem limpo. Não cheguei a usar a cozinha, então não consigo avaliar a limpeza dela. Mas a julgar pelo cuidado com as demais partes do hostel, acredito que seja bem limpa também.

Segurança
che lagarto em ipanema
Locker já bem bagunçado. Ele é bem espaçoso, além dessas tralhas todas, minha mala está lá atrás

Para entrar no prédio anexo é preciso ter uma pulseirinha, fornecida pelo staff na recepção. Existe alguém na porta 24h por dia e, realmente, só entra com a tal pulseirinha vip. Como eu disse anteriormente, todas as camas têm lockers, o que garante a segurança. Como minha mãe teve a toalha dela levada por engano, acreditamos, guardávamos tudo nos lockers, até as toalhas.

Atendimento

Hoje faz um ano da nossa primeira noite no hostel, logo não lembro mais o nome de ninguém, mas fomos muito bem atendidos. O pessoal todo foi muito atencioso e educado. Pois o principal, para mim, não é o fato de não acontecer problemas. Claro, se não der nada, melhor. Mas ninguém está livre de um imprevisto ou algo do tipo. O importante é a forma como vão lidar com esses problemas, se vão te ajudar a resolvê-los. Tivemos o problema do quarto, o do chuveiro e o da toalha. Em todos fomos atendidas e bem. Trocaram o nosso quarto sem problemas, nos ofereceram alternativas para o uso do chuveiro e consertaram rápido e ainda emprestaram uma toalha sem cobrar pelo uso.

Conclusão

Eu ficaria hospedada novamente no Che Lagarto Ipanema. No entanto, colocaria uma observação na reserva para não ficar novamente no mesmo quarto que nos colocaram na primeira noite. Se não me falha a memória, era o 101 ( o primeiro quarto do primeiro andar do prédio anexo). Pois nos trocaram de quarto, mas por haver disponibilidade. Mas e se fosse numa época de alta temporada e tudo estivesse lotado?

Outro ponto importante mencionar é o pagamento: fiz a reserva diretamente no site. Apesar de aparecer o valor em reais para nós, o valor das reservas são em dólar. Logo as tarifas podem variar conforme o câmbio. Como eu paguei só o valor da primeira diária na hora da reserva, o restante eu deveria pagar no check in, em dinheiro, pois não aceitam cartão de crédito. Na hora que fui pagar, o valor foi calculado pelo dólar do dia, o que dava uns R$ 15 a mais do que estava estipulado na confirmação da reserva. Como eu sempre imprimo as confirmações, mostrei que o saldo que eu deveria pagar era aquele valor X, delimitado no dia que eu fechei a reserva e não o atual, do dia do check in e foi tudo certo. Para reservas pelo site do hostel dá para pagar o valor todo adiantado com desconto.

Bem localizado, limpo, com um staff super atencioso. Super recomendo. Eu gostei tanto da experiência, que na minha viagem para o Uruguai fiquei no Che Lagarto de Montevidéu. Mas essa é uma história para outro post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *