Como viajar de carro para o Uruguai

Durante quase toda a viagem, as estradas estavam assim, vazias e com dias maravilhosos


Já fomos de ônibus e relatamos tudo
aqui. Agora, neste ano, experimentamos uma rápida Road Trip pelo país vizinho. A ideia de viajar surgiu em uma mesa de bar com as minhas colegas da faculdade (e as melhores ideias sempre surgem nesses lugares, não é mesmo?) e a ideia inicial era irmos em cinco pessoas, fechando um carro e suavizando os gastos. Mas como imprevistos acontecem, o nosso grupo caiu para três pessoas e, apesar de ter aumentado consideravelmente a conta para a divisão do orçamento, decidimos viajar mesmo assim. Fizemos uma previsão de gastos bem irrealista, diga-se de passagem. Mas o bom de existir blogs de viagens é que a gente erra pra que você não precise errar 😉

Roteiro:

10/3/17
Saída de Porto Alegre
Parada no Chuy
Chegada em Piriápolis

11/03/17
Bate e volta a Montevidéu

12 e 13/3/17
Piriápolis

14/3/17
Saída de Piriápolis
Chegada em Rivera

15/3/17
Volta para Porto Alegre

Uma mês antes da viagem:
Verificação da inclusão dos motoristas no seguro.
Viajamos com o carro da minha amiga, a Bruna. Ela entrou em contato com o corretor que já faz todos os trâmites do seguro do carro dela para verificar como ficaria para incluir mais duas pessoas. Eu e a Hannah, a mais nova, com 21 anos. Como o seguro já tinha cobertura para terceiros dirigindo, não teve nenhum acréscimo no valor que ela já pagava.

Uma semana antes da viagem
Revisão. Por que ninguém quer ficar na mão na estrada, não é mesmo?
Deu sorte de coincidir com a revisão programada que ela faz de seis em seis meses.

04 dias antes da viagem:
Carta Verde
Quando a Bruna entrou em contato com o corretor, um mês antes da viagem, ela já havia falado da Carta Verde, que é um seguro obrigatório para os carros circularem no Mercosul. No dia 6/3, quatro dias antes de viajarmos, ele nos mandou o boleto para pagarmos. O valor do seguro depende do carro e da quantidade de dias. Para nós, seis dias de viagem, o valor foi de R$ 80,26.

Documentação de autorização para utilização do carro durante as datas
Como o carro era, na verdade, da mãe da Bruna, ela precisou fazer uma declaração dizendo que nos autorizava a dirigir o carro pelo período de 10 a 15/3/17. Ela fez três desses documentos, uma para cada uma de nós, e autenticou em cartório. Spoiler alert: ninguém nos pediu esses documentos.

Ida (10/3/17)

Entramos, de fato, na estrada eram umas 7h30. Fomos via BR-290 até Pelotas (onde nos perdemos um pouco e acabamos dando um volta forçada pela cidade). Depois, pegamos a RSC-471. Esse caminho, tem 4 pedágios. O primeiro, logo na saída de Porto Alegre, é o mais caro R$13,80. Os demais, foram R$ 10,70. Apesar de termos nos irritado um pouco com a quantidade de pedágios, a estrada estava em boas condições, com reformas em alguns trechos e bem tranquila para uma sexta-feira. Chegamos no Chuí por volta das 15h.

Ainda no Rio Grande do Sul, o tempo não era dos melhores

Andamos sempre dentro do limite de velocidade, que é 100km/h na maior parte do caminho, paramos algumas vezes para abastecer, fazer xixi e nos revezar na direção. Estávamos de férias e sem motivos para nos apressar.

Aparentemente, essas eram as únicas sinaleiras do Chuy

Almoçamos no Chuí, circulamos pela cidade atrás de chip para o celular (viver sem internet? Jamais!) e nos abastecemos de vodka no free-shop. Saímos em direção a Piriápolis por volta das 18h.

Nossa primeira parada foi logo em seguida, na Aduana. Importante dizer que não há nada barrando a entrada, a parada na Aduana é por livre e espontânea vontade. Claro que é um procedimento obrigatório, pois precisamos ter o visto de entrada no país. Mas você para porque sabe que tem que parar. Quanto aos trâmites, é tudo bem rápido. Não levou nem 10 minutos. Preenchemos nossos vistos e fomos bem-vindas no Uruguai com uma simpática recomendação de “não divirtam-se demais” do moço da aduana. Depois disso, foi a vez de “liberar” o carro. Passamos e paramos do lado de outro funcionário da aduana, que calmamente terminou sua conversa antes de nos atender. O único documento que ele pediu foi a Carta Verde. Ignorou, inclusive, os documentos do carro.

As estradas no Uruguai são maravilhosas. Pagar os pedágios não foi nem um pouco custoso, pois valia a pena. No trecho entre Chuy e Piriápolis só pegamos um pedágio. O custo é padrão $80 pesos e eles aceitam reais.

A viagem foi bem tranquila, sem muito trânsito. Nesse trecho pegamos o anoitecer/noite. Como a Bruna é a motorista mais experiente entre nós, foi ela quem dirigiu. Apesar das estradas serem muito boas, de vez em quando aparecia um carro, meio que do nada, em velocidade altíssima, ou uma moto andando no acostamento. Sempre bom redobrar a atenção. Chegamos em Piriápolis às 21h30.

Volta

A volta foi mais tensa. Fomos a Riveira e a nossa saída foi por Santana do Livramento. Não encontramos a Aduana para darmos a saída no país. Então, “oficialmente”, ainda estamos por lá. Perto de Rosário do Sul, a Receita Federal nos parou. Nem quiseram ver documentos. Só nos pediram para abrir o porta-malas, perguntaram de onde estávamos vindo e o que tínhamos comprado no Uruguai. Como, basicamente, só compramos comida, nos liberaram sem mais perguntas. Aparentemente, ninguém está interessado em ver os documentos do carro.

O bom de viajar de carro, é aproveitar as belezas da estrada. Na foto, estávamos indo de Piriápolis para Rivera

Mas, o tenso mesmo foi a estrada. Saímos de Rivera por volta das 14h30 e pegamos a BR-290. Esse trecho entre Rosário do Sul e Porto Alegre está bem precário. Tinha algumas obras no caminho e uma sinalizações que não passavam de pegadinha do Malandro: tinham placas avisando que teria controlador de velocidade a tantos km/metros e quando chegava dizia na placa que não está funcionando ainda, que esta era apenas uma fase de testes. Por vezes, quando começou a anoitecer, a Bruna tinha que quase parar o carro para conseguirmos ler o que dizia nas placas. Além da parada na Receita, paramos só mais uma vez e não revezamos motorista. A viagem levou 7h até Porto Alegre.

Gasolina

Abastecemos quatro vezes. Fomos com o que tinha de gasolina que já tinha no carro e abastecemos a primeira vez próximo a Pelotas. Duas vezes no Uruguai e uma última vez quando a Bruna chegou em casa. Rodamos nesses 6 dias cerca de 2.630 km e pagamos de combustível (aditivado) o total de R$ 786,89. A motorista oficial da viagem pediu para explicar que, apesar de o combustível ser um pouco mais caro, rende muito mais. Confesso que não entendo nada disso. Mas se ela disse, eu acredito!

Para os mais organizados (aka neuróticos), aqui vai a nossa viagem em números

Nossa quilometragem

10/3 805 km
11/3 266 km
12/3 39 km
13/3 49 km
14/3 580 km
15/3 529 km
Total 2.621,3 km

Nossa gasolina

Tanque 1 (BR): R$ 174,02
Tanque 2 (UY): R$ 203,53
Tanque 3 (UY): R$ 238,83
Tanque 4 (BR): R$ 170,51
Total: R$ 786,89

Nossos Pedágios

Pedágio (BR) Ida Freeway R$ 6,9
Pedágio (BR) Ida via Chuí R$13,8
Pedágio (BR) Ida via Chuí R$10,7
Pedágio (BR) Ida via Chuí R$ 10,7
Pedágio (BR) Ida via Chuí R$ 10,7

 

Pedágio (UY) Ida Chuy-Piriápolis $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-MVD $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-MVD $ 80
Pedágio (UY) MVD-Piriápolis $ 80
Pedágio (UY) MVD-Piriápolis $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-Rivera $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-Rivera $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-Rivera $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-Rivera $ 80
Pedágio (UY) Piriápolis-Rivera $ 65

A viagem rendeu bastante! Acompanhe nos próximos dias os relatos sobre hospedagem, passeios, compras e comida.

 

 

11 thoughts on “Como viajar de carro para o Uruguai

  1. Gente, que viagem legal! Fala-se tanto em road trips nos EUA, aqui e acolá, mas o Uruguai parece o lugar perfeito pra uma viagem longa de carro. Legal vocês usarem Piriápolis como base. Fiquei confuso com a cidade no começo – o nome parece tão abrasileirado eu tive que conferir no mapa. 🙂

  2. Adoro road trips! Mas acabou que nunca fiz uma pela América d Sul, por pura falta de vergonha na cara. E acho que, em geral, Uruguai é um lugar tão subestimando e tem tanta coisa pra fazer! Cada vez mais tenho vontade de conhecer. Já anotei suas dicas !

  3. Que maravilha! Adoro road trips e faço muito aqui por Portugal e Espanha. Também já a aluguei carro em muitos outros países e é a minha forma preferida de viajar.

  4. O Uruguai é o único país da América do Sul que ainda não conheço (tirando as Guianas, claro)… Estou deixando pra conhecê-lo justamente de carro e até por isso está demorando pra rolar! Post muito útil pra mim! Já está favoritado! 😉

  5. Post super útil pra mim! Estou planejando uma road trip pela América do Sul para o próximo ano e, como vc disse, sempre bom pegar as dicas de quem já errou e acertou. Valeu!

  6. Que delícia fazer essa viagem de carro!!! Deve ser muito mais sensacional mesmo! Já pensei diversas vezes, mas nunca tive coragem de colocar em prática… Parabéns pelo post super detalhado e informativo.

  7. Adorei o post, repleto de ótimas dicas e informações. Quero muito conhecer o Uruguai e gostei da ideia de uma road trip. Amei! Bjs

  8. Ótimo texto informativo para quem pensa em fazer uma road trip por este trecho. Informações bem necessárias e importantes. Como você mesma disse: que bom que existem os blogs para nos darem o caminho das pedras né?! 🙂

  9. Uau! Adorei os detalhes do planejamento! Super úteis! Nunca pensamos na tal declaração para uso do carro… mas ri bastante porque (como sempre) ninguém nunca pede os documentos quando a gente se esforça pra tirar! kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *